Comprovantes de transferência falsos são usados em tentativas de golpes a credores de precatórios

Comprovantes de transferência falsos são usados em tentativas de golpes a credores de precatórios

Os credores de precatórios alimentares estão sendo alvo de tentativas de golpe cada vez mais frequentes. Além de receberem mensagens enganosas por WhatsApp, cartas e ligações, agora os credores precisam se atentar também ao recebimento de comprovantes de transferência bancária falsos, que podem levar o nome do advogado ou do escritório de advocacia que encabeça o processo. Entenda como funciona o novo modelo de golpe e saiba como evitar cair em uma armadilha.

Como funciona o novo modelo de golpe

Os criminosos enviam às vítimas comprovantes falsos de transferências bancárias, muitas vezes com a identidade visual do Banco do Brasil. O arquivo também leva o nome do advogado ou do escritório de advocacia responsável pelo processo, além de informar um alto valor em dinheiro.

O documento falso serve para justificar que esse montante, que seria devido ao credor, já estaria em posse do advogado ou do escritório de advocacia que representa o credor. Mas logo é informado à vítima que ela deve fazer o pagamento de supostas “taxas” ou “custas processuais” para receber o precatório, o que é uma mentira.

Credor não deve fazer qualquer pagamento

A dica para não cair em armadilhas é não transferir ou depositar nenhum valor que seja solicitado. O recebimento do precatório não exige nenhum pagamento do credor.

Caso o cliente tenha dúvida sobre a veracidade de qualquer contato, deve telefonar ou enviar e-mail à Advocacia Sandoval Filho para confirmar as informações. Os telefones para contato são: (11) 3638-9800 e (11) 3249-4800. E o e-mail é: sandovalfilho@sandovalfilho.com.br

(Imagem: Makhbubakhon Ismatova/iStock.com)

Compartilhe
menu
menu
Atualizado: 14/10/2021